Braide é um dos alvos de inquérito da PF sobre crimes contra a previdência social na Caema

Deputado Eduardo Braide não gosta de blogs porque são estes veículos que denunciam irregularidades envolvendo ele e seus familiares

Braide não gosta de blogs porque denunciam irregularidades envolvendo ele e seus familiares.

O deputado Eduardo Braide (PMN) é um dos 14 ex-gestores investigados no inquérito aberto pela Polícia Federal para apurar supostas irregularidades na cobrança de créditos de natureza previdenciária, descontados das remunerações dos servidores da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (CAEMA) como contribuição, mas que não foram repassados ao órgão. A investigação tem como alvo a execução movida originariamente pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), posteriormente sucedido pela União, em face da Companhia de Águas e Esgotos do Maranhão, atual Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (CAEMA).

Inquérito da PF que investiga irregularidades na Caema alcançou o período da gestão de Braide na estatal.

Inquérito da PF que investiga irregularidades na Caema alcançou o período da gestão de Braide na estatal.

O nome de Braide é citado por aparecer entre os listados nas Certidões da Dívida Ativa da União (CDAS) que dão base à execução, como um dos agravados que consta na lista dos administradores da Companhia. O blog teve acesso nesta terça-feira (18) a um dos arquivos que integra o processo de número 2008.37.00.002083-8 que tramitam na 4ª Vara de Justiça Federal do Maranhão.

VEJA TAMBÉM:
Vice de Braide foi preso por furar bloqueio policial e conduzir veiculo sem CNH
Braide usa horário eleitoral para se defender de acusação de racismo
TCU põe sob suspeita contratos da gestão Braide na Caema com empreiteiras investigadas pela PF

Um dos nomes que aparecem entre os investigados, o engenheiro civil Aparício Bandeira Filho solicitou ao juiz titular da vara de justiça, num documento datado de 09 de fevereiro de 2009, à exclusão de seu nome do processo alegando que quando participou da diretoria da empresa, entre 17 de dezembro de 2004 a 08 de janeiro de 2007, foi apenas diretor de operação e manutenção, portanto, segundo ele, não era ordenador de despesa.

Um dos citados pediu exclusão do processo alegando que não era ordenador de despesa.

Um dos citados pediu exclusão do processo alegando que não era ordenador de despesa.

No texto onde Aparício Bandeira pede a sua exclusão chama a atenção o período em que ele atuou na Caema: justamente quando Braide passou pela presidência da estatal, entre 2005 a 2007, reforçando que a tese das supostas irregularidades também recai sobre a gestão do deputado na companhia.

E as suspeitas aumentaram mais ainda, um ano depois de Braide ter deixado o comando da Caema, quando o delegado de Policial Federal, Rodrigo Moura Silva encaminhou um oficio ao então presidente da companhia, ex-deputado Rubem Brito (PDT), comunicando do Inquérito Policial de número 020/2007 instaurado para apurar crimes contra a Previdência Social envolvendo a Caema.

No documento, o agente federal solicitou um rol de diretores com poder de decisão acerca do recolhimento de contribuições previdenciárias no período de agosto de 2000 a janeiro de 2006.

De acordo com o oficio datado de 18 de janeiro de 2008, as informações solicitadas pela PF, também deixam claras que dos três anos em que Braide esteve no comando da companhia, pelo menos um ano da gestão dele – 2005/2006 – está sob suspeita de irregularidades.

Braide é um dos diretores alcançados pelo inquérito crimes previdenciários no Caema no período de agosto de 2000 a janeiro de 2006.

Braide é um dos diretores alcançados pelo inquérito crimes previdenciários no Caema no período de agosto de 2000 a janeiro de 2006.

Na resposta ao delegado, Rubem Brito informou uma lista com o nome de apenas três ex-presidentes que passaram pela Caema antes dele: Thadeu Antônio de Almeida de Oliveira, no período de 23/05/2000 a 16/02/2003; Ronaldo Ferreira Braga, de 17/02/2003 a 16/02/2005 e Eduardo Braide Salim, de 17/02/2005 a 08/01/2007.

No rol dos documentos, consta ainda a ata da reunião extraordinária do Conselho de Administração da Caema. Além de Braide, um dos nomes que aparecem é da atual secretária Municipal de Saúde, Helena Duailibe (PMB), mas essa já é outra história que iremos contar no próximo post. Aguardem!

2 Comentários

  • vinicius

    18 de outubro de 2016 08:37:45

    teste

  • vinicius

    18 de outubro de 2016 09:16:00

    mais um

Deixe o seu comentário