• 5 de novembro de 2016
  • 0

Madrasta de advogado usada com laranja emprestava contas para depósitos de precatórios

Euda Lacerda é acusada de receber dinheiro de precatórios em contas emprestadas.

Euda Lacerda é acusada de receber dinheiro de precatórios em contas emprestadas.

Euda Maria Lacerda, de 47 anos, teria sido usada pelo enteado dela, o advogado advogado Jorge Arturo Mendoza Reque Júnior, como laranja no esquema que causou um prejuízo de R$ 410 milhões aos cofres públicos. Esta foi a tese levantada pelo Ministério Público do Maranhão (MP-MA), na denúncia apresentada à Justiça.

Segundo as investigações, Euda que é secretária do escritório enteado, emprestava suas contas para crédito de parte dos valores arrecadados e funcionava como office-girl. Por pertencer à organização criminosa, era ela quem depositava dinheiro de origem ilícita nas suas contas bancárias, de modo a dissimular sua origem, que encontra-se incursa nas penas dos artigos art. 2º da Lei 12.850/93 e art. 1º, § 1º, I e II e 4º da Lei n°9.613/98, segundo consta nas denúncias do MP. A denúncia narra a conduta individualizada dos acusados, bem como a exposição do fato criminoso, qualificação dos acusados e a classificação dos crimes.

VEJA TAMBÉM:
Advogado é suspeito de ser “braço jurídico” da “Máfia Fiscal” no Maranhão

A suspeita de que Euda teria sido usada como laranja da ‘máfia fiscal’ ficou mais evidentes depois que ela apareceu como sócia do Centro de Tecnologia Avançada Ltda (CTA). A empresa também tinha no quadro societário o próprio advogado Jorge Arturo, apontado como um dos principais operadores da organização criminosa no Maranhão. Os dois deixaram a sociedade da empresa em 2010, mas o advogado continuou usando a CTA em negócios da máfia fiscal no estado.

Euda Lacerda recebia valores e funcionava como office-girl da quadrilha.

Euda Lacerda recebia valores e funcionava como office-girl da quadrilha.

Apontado como o ‘rei dos precatórios’, Jorge Arturo tem diversificado seus negócios no estado. Num levantamento feito pelo BLOG DO ANTÔNIO MARTINS na Junta Comercial mostra que o CPF dele aparece como sócio de quatro empresas no Maranhão. O capital inicial das empresas ligadas a ele ultrapassa R$ 1,4 milhão, segundo os registros da Receita Federal.

A primeira sociedade de Jorge Arturo foi firmada no dia 31 de outubro de 2003, com a abertura da Sociedade Maranhense de Ensino Superior, localizada no Loteamento Boa Vista, em Timon-MA. No próximo post o blog vai contar detalhes de como a quadrilha fez para atuar na Prefeitura de São Luís, tendo como elo o secretário Municipal da Fazenda (Semfaz), Raimundo José Rodrigues do Nascimento, que é apontando como sócio do esquema. Aguardem!

Deixe o seu comentário