Arturo e Akio eram sócios de empresa ligada à Máfia da Sefaz

Advogado era sócio de ex-secretário em empresa que operava para máfia.

Advogado Arturo era sócio de ex-secretário Akio em empresa que operava para máfia.

O advogado Jorge Arturo Mendoza Reque Junior, conhecido como o “Rei dos Precatórios”, foi sócio do auditor fiscal Akio Valente Wakiyama, quando exercia mandato de secretário-adjunto da Administração Tributária da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz).

Documentos obtidos pelo blogdoantoniomartins.com mostram que Arturo Júnior chegou a ser sócio majoritário do Centro de Tecnologia Avançada Ltda, com R$ 130 mil em participações. Akio Valente possuía R$ 50 mil na sociedade.

jorge-e1400447376672

jorge-arturo-2-e1400432764118

Documentos revelam sociedade empresarial entre os dois denunciados da Máfia Fiscal.

Documentos revelam sociedade empresarial entre os dois denunciados da Máfia Fiscal.

A parceria formal de Arturo com Akio começou em junho de 2012. À época, a dupla dividia o comando da empresa com Marcelo Luís Lobato Nogueira e Álvaro Rogerio Gomes de Brito. Dois anos depois, Akio deixou a sociedade na empresa, sendo substituído pela madrasta de Arturo, Euda Maria Lacerda, que costumava emprestar suas contas para depósitos de precatórios.

VEJA TAMBÉM:
Madrasta de advogado usada com laranja emprestava contas para depósitos de precatórios
Advogado é suspeito de ser “braço jurídico” da “Máfia Fiscal” no Maranhão

O blog apurou que o Centro de Tecnologia Avançada Ltda (CTA) agregava uma parte da empresa Linuxell Informática e Serviços Ltda para controlar os sistemas de arrecadação do Estado, do município de São Luís, Bacabeira e outros. Vários funcionários da Secretaria de Estado da Fazendo (Sefaz), contratados pela Linuxell trabalham também na CTA, recebendo duas vezes para fazer o mesmo serviço.

No suposto esquema fraudulento de concessão de isenções fiscais pela Secretaria de Estado da Fazenda a empresas, que causou um prejuízo de R$ 410 milhões aos cofres públicos, a Linuxell chegou a aperfeiçoar o esquema a partir de 15 de outubro de 2013, quando substituiu a empresa Auriga Informática e Serviços Ltda em “um nebuloso processo licitatório”.

Documento também mostra que Euda, madrasta de Arturo Júnior, também fez parte de sociedade empresarial com o enteado.

Investigações do Ministério Público apontaram que, mesmo com a substituição, a Auriga Inbformática continuou a prestar serviços enquanto a Linuxell estava com contrato formalmente assinado para prestar o mesmo serviço. “O fato é que a Secretaria de Estado da Fazenda pagou ao mesmo tempo duas empresas por um mesmo serviço que até então era executado por apenas uma”, destaca a denúncia.

Nas denúncias, o órgão ministerial pontou, que alguns funcionários da terceirizada Linuxell Informática e Serviços Ltda eram, ao mesmo tempo, comissionados da Sefaz, demonstrando “a grande ousadia da organização criminosa, respaldada pela convicção de que todos os crimes praticados permaneceriam impunes”.

ESQUEMA CONTINUOU NA PREFEITURA
Em 2014, Linuxell e CTA foram contratadas pela Secretaria Municipal da Fazenda (SEMFAZ), sob o comando do secretário Raimundo Rodrigues, que também foi denunciado como um dos envolvidos nas práticas criminosas da quadrilha.

No próximo post o blog vai detalhar como o esquema fraudulento que causou um prejuízo de R$ 410 milhões aos cofres públicos do estado, continuou a saquear os cofres da Prefeitura de São Luís. Vamos mostrar os motivos que levaram Raimundo Rodrigues a substituir o sistema da DSF que já era de propriedade da Prefeitura de São Luís muito antes da gestão do prefeito Edivaldo de Holanda Júnior (PDT).

Secretário Raimundo Rodrigues pode comprometer Edivaldo Júnior.

Secretário Raimundo Rodrigues pode comprometer Edivaldo Júnior.

Isso ocorreu depois que Raimundo Rodrigues assumiu a Secretaria Municipal da Fazenda e iniciou uma série de medidas para que a mesma quadrilha continuasse agindo na realização de compensações tributárias ilegais, implantação de filtro no sistema da secretaria para garantir essas operações tributárias ilegais e fantasmas, reativação de parcelamento de débitos de empresas que nunca pagavam as parcelas devidas, exclusão indevida dos autos de infração de empresas do banco de dados e contratação irregular de empresa especializada na prestação de serviços de tecnologia da informação, com a finalidade de garantir a continuidade das práticas delituosas.

O caso que é considerado gravíssimo pode, inclusive, trazer sérias e graves complicações ao prefeito Edivaldo Júnior, reeleito no último dia 30 de outubro. Ele pode responder pelo mesmo crime do qual a ex-governadora do Maranhão, Roseana Sarney, está sendo denunciada.

2 Comentários

  • GEMMA

    7 de novembro de 2016 12:52:24

    ESSES CANALHAS TEM QUE DEVOLVER E O DINHEIRO PARA OS COFRES PÚBLICOS.PERDEREM OS MANDATOS E SEREM ABOLIDPOLITICA BRASILEIRA.

  • Zulmira

    10 de novembro de 2016 06:02:24

    Essa empresa se aproximou muito da SEFAZ PI.

Deixe o seu comentário