• 8 de novembro de 2016
  • 0

Balanço mostra desempenho de familiares de parlamentares nas urnas

Passados o primeiro e o segundo turnos da campanha eleitoral deste ano, lideranças políticas e parlamentares fazem um balanço do desempenho dos correligionários na eleição, a primeira com mudanças na legislação eleitoral que incluíram menor duração e menos recursos para os postulantes. A maioria dos deputados estaduais da Assembleia Legislativa e na bancada maranhense no Congresso Nacional tiveram familiares concorrendo algum cargo nas eleições deste ano. No entanto, levantamento realizado pelo blogdoantoniomartins.com mostra que os resultados das nas urnas se transformaram em sucessos e fracassos para alguns dos parentes destes parlamentares.

A derrota mais comentada das eleições nos bastidores da politica maranhense ocorreu no município de Caxias. Lá, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Humberto Coutinho (PDT) travou a maior batalha da sua vida ao tentar reeleger o sobrinho prefeito Léo Coutinho (PSB), mas acabou saindo derrotado para vereador Fábio Gentil (PSDC) que se elegeu prefeito com 39.171 (50,79 %) votos contra 37.959 (49,21 %) votos do adversário.

Outro derrotado no primeiro turno foi o deputado federal Júnior Marreca (PEN) que lançou seu filho, Neto Marreca como candidato a prefeito de Itapecuru, mas acabou perdendo para Dr. Miguel (PRB) que obteve 12.019 (35,45 %) Votos enquanto o filho do parlamentar conquistou apenas 9.040 (26,66 %) votos.

A deputada Andrea Murad (PMDB) nunca mais foi à mesma na tribuna da Assembleia depois que a mãe prefeita foi humilhada nas urnas por um jovem candidato na disputa pela prefeitura de Coroatá. Na cidade, Teresa Mura (PMDB) recebeu 14.718 (46,77 %) votos enquanto Luís da Amovelar Filho (PT) conquistou 16.624 (52,82 %) votos e acabou desbancando a prefeita do cargo.

O senador Roberto Rocha (PSB) também amargou uma derrota em casa. O filho dele, o vereador Roberto Rocha Júnior (PSB) foi candidato a vice-prefeito em São Luís, na chapa do deputado Wellington do Curso (PP), mas apesar dos 103.951  (19,80%) votos ambos acabaram perdendo a vaga do segundo turno para o deputado Eduardo Braide (PMN), derrotado na etapa final do pleito na capital maranhense.

Fato curioso ocorreu em Dom Pedro, base eleitoral do deputado Fabio Macedo (PDT). No município, o prefeito Hernando Macedo (PCdoB), irmão do parlamentar pedetista até aparece como eleito no site do Tribunal Superior eleitoral (TSE) com 6.026 votos, mas nas urnas quem venceu a disputa foi Alexandre Costa (PSC), que recebeu 7.997 votos dos eleitores da cidade. Entretanto, como teve sua candidatura indeferida com recurso, o candidato do PSC não foi declarado eleito, mesmo tendo superado o adversário numa diferença de quase dois mil votos.

Fabio viu o irmão Hernando Macedo perder, mas ‘ganhar’ em Dom Pedro.

Fabio viu o irmão Hernando Macedo perder, mas ‘ganhar’ em Dom Pedro.

Daqui para frente, os possíveis rumos da prefeitura são dois: se o recurso julgado for deferido (aprovado), Alexandre assume a Prefeitura no dia 1º de janeiro de 2017, mas em caso de derrota no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), novas eleições devem ser convocadas. Os especialistas da área afirmam que não existe a possibilidade de Hernando Macedo, segundo colocado no pleito, ser proclamado prefeito sem novas eleições.

Outro que passou vergonha nas urnas foi o deputado Júnior Verde (PRB). A esposa dele, Sandra Lima (PPS) disputou uma vaga à Câmara de Vereadores de São Luís, mas obteve apenas 487 votos (0.09%). Pior: o marido quase rompeu politicamente com irmão, o deputado federal Cléber Verde, para atender o capricho da mulher, que queria a todo custo enfrentar as urnas. O resultado acabou sendo vexatório.

Entre os parlamentares que comemoraram bons resultados das urnas, destaque para o deputado federal Pedro Fernandes (PTB) que, pela segunda vez, garantiu o filho Pedro Lucas (PTB) na Câmara Municipal de São Luís para mais quatro anos.

Embora não seja deputado, o vereador Nato Sena (PRP) não disputou a reeleição, mas teve uma grande vitória, elegendo o seu filho, Nato Junior (PP) para lhe substituir no Parlamento Ludovicense. Alias, o desempenho de Júnior nas urnas em 2016, superou a votação do próprio pai em 2012.

Quem também comemorou o resultado das eleições este ano foi o deputado federal André Fufuca, presidente do PP no Maranhão. Em Alto Alegre do Pindaré, o pai do parlamentar, Francisco Dantas Ribeiro Filho, o Fufuca (PMDB), conseguiu se eleger prefeito com 7.907 (53,98 %) votos contra 6.252 (42,68 %) de Netinho (PSD).

Quem também tem motivo para comemorar é o deputado Edivaldo Holanda Braga (PTC), que mais uma vez contribuiu para ajudar do filho, Edivaldo Júnior (PDT) na disputa pela Prefeitura de São Luís. O resultado das urnas foi até apertado, mas o que vale é que o pedetista conseguiu garantir mais quatro anos no Palácio de La Ravardière.

BARBA, CABELO E BIGODE
Agora, se teve um político maranhense que não é deputado, mas conseguiu sair vitorioso no pleito de 2016, sem duvida foi Hilton Gonçalo (PCdoB). Além de ter sido eleito prefeito de Santa Rita, com 83% dos votos. Ele ainda conseguiu eleger a mulher Fernanda Gonçalo (PMN) em Bacabeira, derrotando o atual prefeito Alan Linhares (PcdoB); e em sua cidade natal, Pastos Bons, ajudou a reeleger a irmã Iriane Gonçalo(SD) que derrotou Mateus Mota (PPS). Como diz aquela expressão popular para alguém que faz um serviço completo: Gonçalo fez nestas eleições o que se pode chamar de Barba, cabelo e bigode.

Deixe o seu comentário