• 6 de dezembro de 2016
  • 0

MA é um dos piores em ranking mundial de educação

governo-concede-progressao-para-46-mil-professores-do-estado-gilson-teixeira-1024x600

Principal avaliação de educação básica do mundo, o Pisa 2015, divulgado nesta terça-feira (6) pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mostrou que o desempenho dos alunos brasileiros ainda é um dos mais baixos entre os mais de 70 países e territórios analisados pelo levantamento. Nesta realidade, porém, o Maranhão mais uma vez se destacou entre os estados do Brasil, que ficou abaixo da média nacional nas disciplinas observadas no estudo. O Estado teve 343 pontos – mesmo pontuação da Bahia (343) – enquanto a média nacional foi de 377.

No ranking divulgado pelo programa, o Maranhão ficou à frente apenas de Alagoas (339).  O Estado com maior pontuação foi o Paraná, com 406 de média.

Outro dado ruim para o Estado foi o percentual de estudantes com proficiência na disciplina. Ao todo 55% dos estudantes estão abaixo do nível 1 em matemática. Este nível é referente aos alunos que são capazes de responder a questões claras, identificar informações e executar procedimentos rotineiros.  Nacionalmente foram 44% abaixo desse nível.

DOCUMENTO
Confira aqui o ranking completo do Pisa 2015

Em comparação com os demais Estados, o Maranhão ficou mais bem posicionado que o Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia e Alagoas, onde os percentuais de estudantes abaixo do nível 1 variaram de 55% a 64%.  Os melhores classificados foram o Paraná e o Espirito Santo, ambos com 31% de estudantes abaixo desse nível.

ENTENDA O PISA
As provas do Pisa duram até duas horas e as questões podem ser de múltipla escolha ou dissertativas. Nesta edição, em alguns países, incluindo o Brasil, todos os estudantes fizeram provas em computadores. O exame é aplicado a uma amostra de alunos matriculados na rede pública ou privada de ensino a partir do 7° ano do ensino fundamental. Além de responderem às questões, os jovens preencheram um questionário com detalhes sobre sua vida na escola, em família e suas experiências de aprendizagem.

Do total de alunos da amostra brasileira, 77,7% estavam no ensino médio, 73,8% na rede estadual, 95,4% moravam em área urbana e 76,7% viviam em municípios do interior.

Estudantes de escolas indígenas, escolas rurais da região Norte ou escolas internacionais, além de alunos de escolas situadas em assentamentos rurais, comunidades quilombolas ou unidades de conservação sustentável não fizeram parte do estudo do Pisa. Segundo o Ministério da Educação, o motivo foram as dificuldades logísticas de aplicação da avaliação e o fato de certos grupos populacionais não terem necessariamente a língua portuguesa como língua de instrução.

Leia mais notícias em blogdoantoniomartins.com e siga nossa página no Facebook. Envie fotos, denúncias e informações ao blog por WhatsApp pelo telefone (98) 99158 6766.

Deixe o seu comentário