• 10 de Março de 2015
  • 0

Compra de votos em Bacabeira teve até “Bolsa Tijolo”

alanevenancio

Quanto vale seu voto? No município maranhense de Bacabeira, ele teve um valor diferencial que não envolveu necessariamente dinheiro. As denúncias dão conta que o voto do eleitor bacabeirense foi negociado com tijolos.

Isso mesmo, para poder eleger seu sucessor Alan Linhares (PTB) nas eleições de 2012, o ex-prefeito José Venâncio Corrêa Filho, o Venancinho (DEM), é investigado na justiça eleitoral por ter criado a ‘bolsa tijolo’ para corromper eleitores com a doação de material de construção para que estes eleitores reformassem suas casas. Tudo em troca de votos para o candidato apoiado pelo ex-prefeito.

O caso levantado, ontem, pelo blog foi abordado hoje pelo radialista Minard em sua página eletrônica na internet. O radialista classificou o escândalo em Bacabeira de “farra dos tijolos”, mostrando, inclusive, documentos que comprovam a ação criminosa no município.

Segundo Minard, o chamado “Vale Tijolo”, funcionava da seguinte forma. O ex-prefeito Venancinho assinava bilhetes com timbrado da prefeitura pedindo mil tijolos a um empresário da construção civil. O documento dá a entender que o financiador de Linhares fazia pedido em nome da prefeitura ao empresário Antônio Resende Bastos, proprietário da Cerâmica Industrial Bacabeira.

No teor do processo que investiga o crime eleitoral, conta documentos com mais de 1000 milheiros distribuídos em toda cidade durante a campanha. Segundo as informações, havia também para os mais “chegados” de Alan Linhares o “Vale Areia” e o “Vale Cimento”, ou seja, um verdadeiro arsenal de provas que caracterizam compra de voto infringindo o artigo 41-A (captação ilícita de sufrágio) do Código Eleitoral.

foto-2

 

Na tarde de hoje, o processo de cassação contra o prefeito Alan voltou a ser adiado pelo TRE. Tudo indica que o processo trará muita discussão com o risco iminente do petebista ir para casa antes do término do seu mandato.

 

Deixe o seu comentário