• 24 de Fevereiro de 2015
  • 0

Prefeito de Bacabeira recruta advogado que faturou R$ 48 milhões do Governo do Maranhão

Processo de cassação do prefeito Alan Linhares pode ter um desfecho hoje

O prefeito de Bacabeira, Alan Linhares (PTB) recrutou o advogado Erik Janson Vieira Monteiro Marinho para fazer sua defesa no processo de cassação por captação ilícita de sufrágio e abuso de poder econômico na eleição de 2012, que será julgado amanhã pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão.

Advogado tenta um argumento ‘milagroso’ na defesa de Alan Linhares

O advogado que é ligado à empresa Maranhense Serviços Profissionais (MASP), faturou só em 2014 a bagatela de R$ 48.132.883,30 (quarenta e oito milhões, cento e trinta e dois mil e oitenta e três reais), do Governo do Maranhão.

Além do prefeito Alan Linhares, o vice-prefeito, José Benedito (PSDB) e os vereadores Dino Petronilo (PPS), Luís Vilaça (PP) e Romualdo (PTB), também responde pela mesma acusação.

Mas apesar dos ‘modus operandi’ do advogado que sempre foi testa de ferro de um dos irmãos da ex-governadora Roseana Sarney, Marinho não terá uma defesa fácil no processo de Bacabeira. Isso porque, junto à representação foram anexadas várias fotos e vídeos, com imagens do que seriam as supostas compra de votos em troca de materiais de construção no município bacabeirense. Vários bilhetes com papel timbrado da prefeitura do Município foram anexados no processo. O processo pode ter um desfecho hoje.

ENTENDA O CASO
Protocolada no dia 17 de dezembro de 2012, em nome da coligação “Bacabeira União de Todos Nós”, a representação se baseia nas denúncias de compra de votos na campanha petebista de 2012 em Bacabeira.

A coligação “Bacabeira União de Todos Nós”, que teve como candidato a prefeito, José Reinaldo Calvet, substituído na disputa por sua esposa, Olga Calvet (PV), juntou à representação várias cópias de bilhetes em papel timbrado da Prefeitura bacabeirense, com uma ordem inusitada dada pelo ex-secretário Municipal de Finanças, Werbeth Pinheiro, dando a ideia precisa da corrupção deslavada que impera naquele município.

Segundo apurou o blog, num dos bilhetes, datado de 14 de abril de 2012 [há sete meses das eleições], e devidamente rubricado, “Pinheirinho”, como é popularmente conhecido, manda o empresário Antônio Resende Bastos, proprietário da Cerâmica Industrial Bacabeira, atender o portador fornecendo-lhe nada menos que 1.000 milheiro de tijolo.

Deixe o seu comentário