• 28 de Maio de 2015
  • 0

Sobrevivente fingiu estar morto para escapar de chacina em Panaquatira

pana

Reprodução TV Mirante

Um dos sobreviventes do assalto a uma casa de veraneio localizada na Praia de Ponta Verde, em Panaquatira, em São José de Ribamar, onde cinco pessoas acabaram sendo mortas, no último sábado (23), quebrou o silêncio e revelou o que fez para sobreviver ao ataque dos seis criminosos que participaram da ação que durou pelo menos 15 minutos.

A vítima preferiu não se identificar, mas contou em detalhes toda a ação dos bandidos. Ainda muito abalado com a tragédia que culminou na perda de muitos amigos, ele revelou que os criminosos chegaram ao local anunciando o assalto e atirando.

“Os caras  chegaram do nada, acho que eram sete. Vieram três por um lado e resto pelo outro e os caras chegaram atirando. Eu fui o primeiro a ser atingido por um tiro na cabeça, me fingi de morto para não acabar sendo uma tragédia maior”.

Mesmo ferido e caído ao chão, o rapaz testemunhou todo o desenrolar da tragédia que chocou a capital maranhense pela violência aplicada pelos criminosos.

Após o ataque ter sido iniciado pelos criminosos, o policial militar Max Muller atirou e alvejou três suspeitos antes de ser morto, segundo disse a testemunha.

“O policial  que estava presente, particularmente foi o herói. Ele atirou e acertou três bandidos que vinham por um lado, mas os outros que vinham por outroparte acertaram ele.  Ai ouvi o bandido dizendo que era para matar matar todo mundo. Foram uns 40 tiros mais ou menos. Só pararam de atirar quando acabou a munição disso não tenho dúvida”.

Execuções
Ainda com a bala alojada na cabeça, o jovem não consegue esquecer o momento em que os amigos foram alvejados de forma covarde pelos criminosos. Com muita riqueza de detalhes, revelou o posicionamento de cada uma das vítimas no momento do ataque.  panaaa

Segundo disse, Alison, Alexandro, Cadu estavam na piscina quando tudo começou e acabaram sendo alvos fáceis. A jovem Ananda estava ao seu lado quando foi atacada.

“Deram oito tiros no Alison. Atiraram também no Alexandro, na cabeça. O Cadu estava na piscina, mas o tiro pegou de raspão. A menina que se encontrava ao meu lado, a ruiva, deram quatro tiros nela entendeu? Foi uma tragédia, uma coisaque não tem explicação”.

pana2Tensão e medo
O sobrevivente disse ter vivido ‘momentos horriveis’ e admitiu ter achado que iria morrer ali. Para ele a fé em Deus foi essencial para sair com vida daquele cenário de carnificina.

“Foram momentos horriveis porque eu tava deitado quieto, orando para Deus para ninguém vir atirar de novo em mim. E olhando essa situação e ouvindo baruho de tiros para todos os lados. Achei que ia morrer cara, que nunca mais ia ver minha familia.

Mesmo ferido, o rapaz disse ter presenciado o momento em que uma das vítimas do atentado conseguiu correr e voltar com ajuda.

“Eu presenciei tudo, pois estava com os olhos abertos olhando tudo que estava acontecendo. Teve um rapaz que conseguiu fugir para o mato, que foi esse que me salvou. Ele voltou e conseguiu pegar o carro e me levar para o hospital”.

Entenda o caso
Na noite do último sábado (23), seis homens armados invadiram uma festa que acontecia em uma casa de veraneio, na Praia de Ponta Verde, em Panaquatira. O policial militar Max Muller Rodrigues de Carvalho, de 27 anos, reagiu e trocou tiros com os invasores.

Morreram o PM Max, a estudante universitária Ananda Brasil, 20, o produtor musical Alexandro Carvalho, o Cachorrão, 36, o suspeito Josinaldo Aires da Costa, o Nau, e um segundo suspeito, que ainda não foi identificado.

Ficou ferido Alison Fonseca, 28, que estava na festa. Ele foi atingido com oito tiros e está internado em estado estável em um hospital da capital maranhense.

Fonte: G1 Maranhão

Deixe o seu comentário