Rômulo Franco é acusado de penhorar carros alugados com agiota

  • 23 de junho de 2017
  • 0

Em todos os cantos da cidade em que há a denúncia de golpes, a história é bastante parecida. O suplente de vereador de São Luís, Romulo Franco (DEM), definido pelas pessoas ouvidas pelo blog como “estelionatário”, vem sendo acusado de aplicar golpes em locadoras, empresários e amigos alugando ou pedindo automóveis emprestados para poder penhorar com agiotas, por conta de dívidas contraídas durante a campanha.

De acordo com as denúncias, Rômulo já teria empenhado mais de 15 carros. Todos em nome de empresários, amigos e locadoras. Envolvido em diversos casos de calotes, o politico teria recorrido a empréstimos com agiotas para salvar sua campanha em 2016. Mas perdeu a eleição e sequer amargou as primeiras posições da coligação. Sem ter como pagar a conta, Franco começou a usar como garantia bens que não lhes pertenciam.

Algumas dessas vítimas já teriam denunciado o caso à Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos. O suplente de vereador pode pegar até quatro anos de reclusão, sendo enquadrado nos artigos 171 e 155 do Código Penal.

VOZ, GOLPE E VIOLÃO
Não é de hoje que Rômulo Franco é conhecido por tentar dar uma de esperto usando a boa vontade das pessoas. Em junho de 2015, há exatos dois anos, ele entrou de penetra e acabou sendo expulso de uma festa de aniversário na Península da Ponta d’Areia.

Na época, segundo relatos, passava da meia noite quando ele – que havia acabado de sair do casamento da sua irmã – chegou ao local, onde não conhecia ninguém, e acabou invadindo.

Disse aos porteiros do prédio e aos parentes da aniversariante que tinha amigos lá dentro. Conversa vai, conversa vem, Franco ainda tomou conta de um violão e chegou a cantar algumas canções. Mas o clima ficou ruim quando alguns dos convidados perceberam a farsa. Acuado por pelo menos três homens, acabou sendo obrigado a se retirar.

Triste fim para um jovem politico que perdeu a chance de fazer história e deixar, de fato, um grande legado para a capital maranhense.

Leia mais notícias em blogdoantoniomartins.com e siga nossa página no Facebook. Envie fotos, denúncias e informações ao blog por WhatsApp pelo telefone (98) 99218 9330.

Pretensas lideranças apresentam fraca performance em pesquisa

  • 23 de junho de 2017
  • 0

Eliziane Gama já não aparece como terceira via (Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados)

 

De O ESTADO – A pesquisa de intenção de votos do instituto Escutec, divulgada ontem – com cenários eleitorais na disputa pelo Governo do Estado e pelo Senado Federal -, mostrou perda de espaço de lideranças consideradas emergentes na política maranhense, como a deputada federal Eliziane Gama (PPS), o prefeito de Ribamar, Luis Fernando Silva (PSDB), o ex-juiz Marlon Reis (Rede) e o prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo (PCdoB).

Nenhum desses personagens apareceram, sequer, no levantamento espontâneo, em que o eleitor cita os nomes de sua preferência, sem interferência do entrevistador.

Para comparar o impacto da pesquisa em relação a esses nomes, em 2013 e nos primeiros meses de 2014, nas últimas eleições estaduais, tanto Gama quanto Luis Fernando surgiam como potenciais candidatos o Governo do Estado. Fernando como candidato da então governadora Roseana Sarney (PMDB); Eliziane com uma espécie de terceira via para o eleitorado maranhense.

Quatro anos depois, nenhum dos dois é lembrado, seja para o Governo do Estado, seja para a disputa de senador, embora Eliziane já tenha anunciado a pretensão de concorrer à Câmara Alta.

Também foram ignorados pelo eleitor na pesquisa Escutec o prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, que vem tentando se viabilizar como opção ao governo, e o ex-juiz Marlon Reis, principal nome do partido Rede Sustentabilidade no Maranhão.

Dentre os nomes, a situação de Eliziane Gama chama mais atenção pelo fato de ela já ter figurado em excelente posição na disputa pelo Governo do Estado e chegar a ser cogitada como virtual prefeita de São Luís.

Queda – A queda da popular socialista e a perda de espaços no cenário político começaram no ano passado, com o resultado das eleições municipais. Gama terminou o pleito de São Luís na quarta colocação, com pouco mais de 35 mil votos.

Perdeu espaços, na ocasião, para o deputado estadual Wellington do Curso (PP), terceiro colocado, e para o também deputado estadual Eduardo Braide (PMN), segundo colocado. Ambos com mais de 10 mil votos conquistados, cada.

A Escutec divulgada quarta-feira mostrou a consolidação de Eduardo Braide como terceira opção para o Executivo e listou até o secretário de Estado da Comunicação, Felipe Camarão, na espontânea.

A popular socialista, contudo, não aparece.

O Estado entrou em contato com a deputada federal para obter um posicionamento da parlamentar em relação a sua não inclusão na pesquisa como uma opção ao eleitorado. Até o fechamento desta edição, contudo, ele não havia respondido.

Saiba Mais

Enquanto alguns nomes desaparecem do cenário eleitoral maranhense, outros emergem das pesquisas espontâneas com destaque importante. É o caso do deputado estadual Eduardo Braide (PMN), apontado em terceiro lugar na disputa pelo Governo; do secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, na lista de citados do eleitor também para o governo, e o vereador Dr. Gutemberg Araújo (PSDB), que apareceu como opção espontânea do eleitor para o Senado, mesmo sem nunca ter dado qualquer declaração nesse sentido.

Leia mais notícias em blogdoantoniomartins.com e siga nossa página no Facebook. Envie fotos, denúncias e informações ao blog por WhatsApp pelo telefone (98) 99218 9330.

Audiência sobre reajuste de energia será no dia 6

  • 23 de junho de 2017
  • 0


A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) remarcou para o dia 6 de julho a audiência presencial para discutir o reajuste tarifário da Companhia Energética do Maranhão (Cemar), proposto em 19,05% na conta dos consumidores residenciais e 17,82% para as indústrias. A sessão terá início às 14h, na Universidade Dom Bosco (UNDB), no Renascença II.

No dia 14 deste mês, na véspera da primeira audiência marcada, a Justiça deferiu uma ação popular impetrada pelo advogado Pedro Leonel Pinto de Carvalho e determinou a suspensão da sessão. Na ação, o advogado alegou que audiência pública é um instrumento de apoio ao processo decisório da Aneel de ampla consulta à sociedade, que precede a expedição de atos administrativos ou anteprojeto de lei. E que, portanto, deve ser marcada com antecedência mínima de 10 dias e amplamente divulgada para que haja uma participação efetiva da sociedade no debate.

De acordo com a Aneel, o aviso da audiência pública do dia 6 de julho foi publicado no Diário Oficial da União e divulgado em seu portal na internet e nas mídias sociais (Facebook, Twitter, LinkedIn e SMS), que, segundo a autarquia, resultam em milhares de interações. Além disso, “spots” de rádio promovem localmente a realização da reunião presencial com o objetivo de estimular a participação pública.

Em seu portal na internet, a Agência disponibiliza informações e documentos relativos às audiências públicas, acessíveis em: http://www. aneel.gov.br/audiencias-publicas. As movimentações tarifárias e explicações sobre as relações de consumo são encontradas no endereço http://www.aneel.gov.br/espaco-do-consumidor.

Reajuste

O reajuste preliminar proposto pela Aneel é considerado elevado pelos consumidores maranhenses. Para o Sindicato dos Urbanitários do Maranhão, o atual momento econômico, de crise, não comporta aumento de tarifa, ainda mais nesse patamar proposto pela Aneel.

“Embora a revisão esteja prevista e possua metodologia técnica de cálculo, não deixa de ser injusta e inoportuna. Onera a sociedade maranhense com um índice muito acima da inflação, num momento de crise, ampliando os já elevados lucros da Cemar”, diz o sindicato.

Além de se obter subsídios para o aprimoramento da Quarta Revisão Tarifária Periódica da Cemar, a vigorar a partir de 28 de agosto deste ano, a reunião também visa definir os correspondentes limites dos indicadores de continuidade de Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (DEC) e de Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC), para o período de 2018 a 2021.

Reajuste entra em vigor em agosto

Os valores submetidos à Audiência Pública pela Aneel consistem na proposta preliminar de ajuste de 19,05% na conta dos consumidores residenciais (B1) da Cemar. Para as indústrias, o índice preliminar é de 17,82%. Os índices definitivos serão conhecidos em agosto, quando o assunto será deliberado pela Diretoria da Agência em Reunião Pública Ordinária. A revisão tarifária da Cemar entrará em vigor em 28 de agosto.

Leia mais notícias em blogdoantoniomartins.com e siga nossa página no Facebook. Envie fotos, denúncias e informações ao blog por WhatsApp pelo telefone (98) 99218 9330.

Caminhão explode próximo ao Shopping do Automóvel

  • 22 de junho de 2017
  • 0

Grave acidente na Avenida dos Holandeses. O motorista de um caminhão-tanque perdeu o controle e bateu em um poste, ocasionando uma grande explosão, na madrugada desta sexta-feira (23), na Avenida dos Holandeses, próximo ao Shopping do Automóvel.

Outros carros foram atingidos pelo fogo, ocasionando várias explosões. O motorista do caminhão foi socorrido pelos bombeiros e teve várias queimaduras pelo corpo. A princípio, foi identificado apenas como Marcos.

Em breve mais informações

Leia mais notícias em blogdoantoniomartins.com e siga nossa página no Facebook. Envie fotos, denúncias e informações ao blog por WhatsApp pelo telefone (98) 99218 9330.

Juiz condena ex-presidente da Câmara Municipal de Satubinha por improbidade administrativa

  • 22 de junho de 2017
  • 0

O juiz Felipe Damous Soares, titular da comarca de Pio XII, condenou Ironilton Magalhães Ferreira, ex-presidente da Câmara Municipal de Satubinha (termo judiciário), a ressarcir aos cofres públicos o valor de R$ 19.874,00, atualizados monetariamente e acrescidos de juros e a pagar multa civil de mesmo valor. O ex-gestor também foi condenado à suspensão dos direitos políticos por seis anos e proibido de contratar com o poder público ou receber incentivos fiscais ou creditícios, pelo prazo de cinco anos.

A sentença foi proferida na Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público estadual na qual requereu que seja o reconhecimento de ato atentatório contra os princípios da administração pública; a aplicação da pena de ressarcimento dos danos causados; a perda da função; a suspensão dos direitos políticos e a proibição de contatar com o poder público e o pagamento de multa civil.

Conforme os autos, o réu, na condição de presidência da Câmara Municipal de Satubinha, Ironilton Ferreira teve suas contas referentes ao exercício de 2008 julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). A conduta do ex-gestor enquadra-se no artigo 9, 10 e 11 da Lei de Improbidade Administrativa (Nº 8.429/1992), que dispõe sobre as sanções aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na administração pública direta, indireta ou fundacional.

IRREGULARIDADES – Segundo o TCE, o ex-gestor cometeu, dentre outras irregularidades, o não encaminhamento de documentos referentes aos procedimentos licitatórios (exigidos, inexigíveis ou dispensados), o plano de carreiras, cargo e salários de servidores e a folha de pagamento de dezembro; o decreto de abertura de crédito adicional suplementar, no valor de R$ 56.500,00 assinado pelo chefe do legislativo; concessão de diárias sem respaldo legal; ausência da relação dos bens moveis e imóveis sob a guarda do Legislativo Municipal; além de falhas no processamento das despesas de serviços de confecção de folha de pagamento, de assessoria contábil e de prestação de contas, digitação e assessoria jurídica.

Na sentença, o juiz contatou haver a presença dos requisitos caracterizadores de improbidade administrativa. “O réu deixou de apresentar documentos essenciais e negou publicidade a esses atos, além de ter sido omisso na prestação de contas, ofendendo os princípios administrativos de moralidade, publicidade, impessoalidade, resultando em um dano ao erário quantificado pelo TCE,  em R$ 19.874,00”, afirmou o magistrado, acrescentando ainda que “os fatos afiguram-se graves, pois demonstram em vários aspectos da gestão o total desprezo pela legalidade e pela moralidade no trato da coisa pública”.

A sentença assinada pelo juiz foi publicada às páginas 1664 a 1668 do Diário da Justiça Eletrônico dessa quarta-feira, 21 de junho.